1978 – A Plascalp inicia as suas atividades no segmento de produtos médicos-hospitalares na cidade de São Paulo.

1986 – Aproveitando-se do privilegiado posicionamento geográfico, a empresa foi transferida para a cidade de Feira de Santana, onde iniciou as suas atividades produzindo equipos para infusão de soluções enterais e parenterais, escalpes, agulhas para fístula.

1992 – Posteriormente houve expansão em sua linha de produtos passando a fabricar seringas e agulhas hipodérmicas, quando se iniciou então, um programa de investimentos visando a modernização tecnológica, garantia da qualidade, busca de novos mercados e estímulo aos recursos humanos,através de programas de treinamento, motivação e conscientização de todos os seus colaboradores.

2000 – Foi lançada a nova linha de equipos de infusão especiais, dentre os quais, equipos para nutrição enteral com air-vent, câmara graduada, equipos para bomba de infusão, equipos com filtro de partículas, dispositivos duas e quatro vias, ampliando assim a seu mix de produtos no mercado.

2001 – A Plascalp lança novos produtos: conjunto esponja-escova com PVPI. Após ampla pesquisa começa a atuar na linha de varejo (farmácias e supermercados) com seringas e agulhas. Neste mesmo ano a Plascalp conquistou a certificação pela ANVISA das “Boas Práticas de Fabricação” – BPF, sendo a primeira certificada neste ramo do país.

2002 – Montagem de agulhas e automação de montagem das seringas, processo de acabamento dos Catéteres.

2004 – Este ano foi marcante para a Plascalp. Houve ampliação do espaço físico da unidade fabril Feira de Santana (BA), gerando novos empregos. Com esta ampliação de mercados e aquisição de novos equipamentos como injetoras, extrusoras, máquinas para montagem e gravação automática de seringas, novos moldes para seringas e equipos, foram imperativos para a sustentação deste crescimento, sofrendo modernização e verticalização de todos almoxarifados.

Equipamento internacional

2005 – Início do processo de transferência de tecnologia do Japão para Plascalp, bem como máquinas, equipamentos e treinamento do pessoal técnico nas fábricas do Japão.

2006 – Em parceria com a Suzano foi implantado o sistema automatizado de alimentação de matéria-prima para as injetoras de moldagem.